Na tarde desta quinta-feira (09) uma Comissão de Vereadores e representantes de entidades participaram junto ao Serviço de Saneamento Ambiental de Rondonópolis – Sanear, de um estudo referente a tabela de cobrança da taxa de lixo. Na oportunidade foram apresentados dados pontuais de custo para coleta e despejo dos resíduos no aterro sanitário, bem como uma proposta de cobrança por faixa, onde o morador que tem uma casa de 0 a 66,33 m² paga uma tarifa mínima de R$ 8,40; de 66,34 a 132,66m², R$ 16,80 e, assim por diante.

A diretoria do Sanear, Terezinha Silva Souza, explicou que o valor da nova tabela proposta não atinge o custo do serviço, que segundo ela é de R$1,5 milhão. Os dados também mostraram uma queda no pagamento dos serviços de coleta de lixo do ano anterior para o atual. O Sanear, segundo aponta o documento apresentado, pagou quase R$ 4 milhões a menos pelo serviço no ano de 2017.

“Mesmo com a efetivação do aterro, custeio com o antigo lixão e cumprimento do TAC que versa sobre os cuidados com os trabalhadores que atuavam no lixão, pagamos menos do que o ano de 2016. Em quatro anos aumentaram de seis para dez caminhões de coleta, mas o desejo do Sanear é que diminua a produção de lixo, assim o serviço e custos com este fim”, disse Terezinha Silva Souza.

O presidente da Câmara de Vereadores, vereador Rodrigo da Zaeli, pontuou as sugestões propostas pela comissão de vereadores, inclusive, a do escalonamento por faixa. “Esta tabela flexibiliza os valores, tanto para as residências, quanto para comércios e grandes geradores. O importante é garantir uma cobrança justa, que não seja acima do que o cidadão possa pagar, como vimos em exemplos recentes”, disse.

O presidente da Câmara de Dirigentes Lojistas, Neles Walter Farias, elogiou o empenho da comissão de vereadores e equipe técnica do Sanear. “Ficou excelente. Vimos que vocês levaram em conta nossas sugestões e estudaram cada item. Valeu a pena a discussão e a participação da Câmara de Vereadores neste processo. Os valores apresentados ficaram justos e com a coleta seletiva a tendência é diminuir a produção de resíduos e os custos para o Sanear”, pontuou.

A diretora financeira da autarquia, Antonieta Almeida, disse que esse esboço será levado ao prefeito e uma nova reunião deve acontecer o quanto antes para que a nova tabela seja homologada e a cobrança efetivada. Também que, junto a esse processo, um novo cadastramento imobiliário será programado para que os valores reais sejam cobrados.

Participaram do evento os representantes da Acir e CDL, Juarez Orsolin e Neles Walter Farias, respectivamente; os vereadores Rodrigo da Zaeli, Jailton do Pesque Pague, Beto do Amendoim e Roni Cardoso; comerciantes e sociedade civil, além dos diretores do Sanear.