O Presidente do Conselho Municipal de Pessoas com Deficiência de Rondonópolis – CMPDR, Marcelo Ferreira, bem como representantes da Associação Rondonopolitana de Deficientes Visuais – ARDV estiveram na Câmara de Vereadores, juntos aos legisladores Rodrigo da Zaeli e Claudio da Farmácia, para solicitar acessibilidade às pessoas com deficiência que utilizam o transporte coletivo da cidade. Eles sugerem que os vereadores acrescentem à minuta do projeto alguns benefícios que hoje não lhes são garantidos.

 

“Um dos pedidos que fazemos é para que haja avisos sonoros e aplicativo para cegos nos terminais. Também que sejam afixados nos ônibus plaquetas em libras sobre a linha que aquele veículo faz. Para os cadeirantes ou pessoas com a mobilidade reduzida, que todo carro tenha uma plataforma e que elas de fato funcionem”, explicou Marcelo.

 

Leandrina Oliveira e Alzira Freitas, membros da ARDV, solicitaram que os vereadores defendam que a carteirinha de gratuidade seja a mesma da associação em que o usuário faz parte. “Isso facilitaria nossa vida e ninguém melhor do que nós para fazermos esta fiscalização. Nas associações temos toda a documentação da pessoa, com foto e a carteirinha desta pessoa é o suficiente para comprovar que ela é merecedora do benefício”.

 

Os vereadores garantiram levar ao prefeito as sugestões das associações e defender a inserção delas à minuta do projeto de transporte coletivo de passageiros da cidade. “São pedidos simples, porém que fazem toda a diferença para estes usuários. É preciso garantir acessibilidade à eles e assim faremos. Acredito que o prefeito não fará nenhuma objeção quanto a isso”, concluiu Zaeli.